Tornar-se pessoa tem um significado muito grande na minha vida por ter sido o primeiro meio pelo qual eu fiz verdadeiro contato com a Abordagem Centrada na Pessoa. Eu me recordo muito vividamente do dia em que o peguei na biblioteca da Universidade. Era antes do almoço e havia um tipo de curiosidade muito específica dento de mim. Não era qualquer curiosidade, era uma muito peculiar, eu quase posso senti-la agora. Não sei explicar. Lembro que eu comecei a ler e fiquei extremamente mobilizado com o tópico "Algumas coisas fundamentais que aprendi" logo no início. Eu vinha de certo modo abrindo algumas coisas em minha vida e não tive como naquele momento não entender que era sobre mim aquilo tudo (e continua sendo). Sobre a minha pessoa. Mais especificamente sobre as minhas máscaras, sobre uma parte minha que precisava tanto ser escutada e compreendida por alguém. Acho que nunca li tão intensamente um livro como eu li esse. Era uma sensação constante de que eu estava sendo convidado a algo que eu não sabia exatamente o que era (mas que eu sabia também) e de que eu precisava, ao passo em que lia, elaborar algumas coisas que pareciam ainda tão confusas por dentro. Fui lendo cada capítulo com afeto e cuidado, olhando para mim e para as coisas que iam se abrindo e era quase possível visualizar um caminho ganhando corpo à minha frente... "Uma mão que acolhia e outra que me frustrava", era mais ou menos assim. Foi entre esses dois pontos que fui construindo uma travessia em busca de alguma coisa sobre sobre a minha liberdade, sobre a minha existência no mundo. Tudo que que andei até hoje me faz lembrar desse comecinho, tão difícil, mas ao mesmo tempo tão verdadeiro e significativo. Rogers descrevia tão delicadamente os processos dele que de certa forma cabia muito ir olhando para os meus. Sempre um pouquinho mais. Até hoje me emociono muito ao lê-lo, porque me leva para o meu lugar de procura por mim mesmo e me faz desejar, cada vez mais desdobrar e atualizar os sentidos disso. Para mim, é um livro sobre todo mundo e feito para tocar cada um naquilo que é mais seu. 💙 . #ACP #PsicologiaHumanista #carlrogers #abordagemcentradanapessoa #humanismo #psicologia #quarentena
Uma publicação compartilhada por Mário Silveira (@mariopsi) em